domingo, 17 de agosto de 2008

A MALDIÇÃO SALGUEIRO


Definitivamente tenho de ir ao Professor Bamboo perceber o que se está a passar comigo. Quem acompanha este blog desde o início sabe que nas últimas semanas: 1) Rebentei o tímpano do ouvido esquerdo, 2) Caí de umas escadas de minha casa (25 degraus) e fiquei com um Francisco Siamês, versão africano, no cotovelo esquerdo e um rabo do tamanho JL (Jennifer Lopez), 3) Cortei uma posta do meu dedo mindinho dentro do computador, quando andava armado em empregada doméstica ucraniana, que daria para servir de suplemento proteico a um halterofilista.

Como se isto não fosse o suficiente para parecer o Michael Jackson, este fim de semana estive com o meu sobrinho de 3 anos na piscina.

Durante meia hora ele saltou da borda da piscina na minha direcção e eu tinha de agarrá-lo mal caía na água.

Tudo correu bem, até que ele decidiu armar-se em Nélson Évora. Deu um salto com tanto balanço, que o corpo ficou inclinado como se fosse o Super Homem a voar, e antes dos meus braços conseguirem apanhá-lo as nossas cabeças chocaram uma contra a outra, com uma violência muito semelhante à do desastre do Ayrton de Senna.

Resultado: ele começou a chorar imediatamente. Eu comecei a sentir um monte nascer na minha cabeça. Neste momento está tão vermelho que tenho a certeza que a qualquer momento vai passar de um vulcão inactivo, para cuspidor de lava biónica.

O meu corpo encontra-se tão deformado que pareço o filho que o Michael Jackson teria se fosse para a cama com o Homem Elefante.

Enviar um comentário