quinta-feira, 30 de outubro de 2008

OH NÃO! MATARAM O BONECO DO MULTIBANCO

OH NÃO! MATARAM O BONECO DO MULTIBANCO

Há certos acontecimentos no mundo que me causam uma certa tristeza. Não ao ponto de chorar e poder provocar inundações na zona de Santarém e Algés, mas mesmo assim dão para eu ficar desidratado: o Holocausto, o aquecimento Global e a mudança de imagem do boneco do Multibanco.

O Tribunal Internacional de Justiça devia condenar quem teve a ideia de substituir o boneco do Multibanco, à expatriação da Terra, passando a viver num meteorito, que fosse brevemente chocar contra um buraco negro. Ok. Já me contentava com a prisão. Mesmo se não existisse uma cela disponível, que libertassem o Karadzic, para o colocar lá dentro.

O choque que tive a primeira vez que fui a uma caixa de Multibanco e vi o novo boneco, foi equivalente a chegar a casa da minha avó e à minha frente, em vez de estar uma senhora velhinha e simpática, estar uma mulher com a pele toda esticada, com uma bola de bowling debaixo do braço, de mão dada com um actor dos Morangos com Açúcar. E não dos que fazem de professor, mas de aluno.

Não, não estou a exagerar. Assim que cheguei fui cumprimentado por um cartão verde achatado. Pela minha cabeça só passavam as perguntas: Quem és tu? O que fizeste ao meu amigo? És um multibancojacker?

Nesse momento ainda passam pela minha cabeça as longas conversas que tive com o boneco antigo. Ele era sempre simpático comigo. Era um misto de irmão e conselheiro. Sorria sempre, quer eu tivesse dinheiro, ou não. Ele não era elitista. Tanto se dava comigo quando levantava 50 euros ou 5 euros.

No site do Multibanco dizem que o boneco é o mesmo, mudou foi de imagem. Mentira! Que ninguém se atreva a dizer que o boneco é o mesmo, porque eu sei que não é. Alguém raptou o meu amigo. Terão sido as Farc? Poderá o Sarkozy interceder? Eles são tão diferentes um do outro, que nem sequer por irmãos alguma vez passariam.









O meu amigo tinha sobrancelhas que flutuavam no ar. Isso significava que tinha super poderes, e muito provavelmente era aparentando de um deus Grego. Não sei de qual, porque não tenho grande conhecimento sobre Deuses verdes, mas um Deus que faça levitar as sobrancelhas merece ser canonizado.

O novo boneco é um metrossexual. Para além de não ter pelos no peito, também arrancou as sobrancelhas com cera. Não existe ali um pêlo. Como é óbvio, é apenas para que não percebamos que ele não tem as capacidades de levitação do meu amigo. Ou então no fundo gostaria de ir para a Gay Parade, mas tem vergonha.

O meu amigo era asseado. Usava sempre luvas brancas. Talvez fosse fã do Mickey, ou apenas quisesse lembra-me que quando chegasse a casa, depois de o utilizar, deveria lavar as mãos, se não quisesse ficar com um jardim zoológico de bactérias nos meus dedos.

Este novo, é um porcalhão. Reparem bem nas mãos dele. Pretas. Nunca as deve ter lavado. Que exemplo é este que estamos a dar às crianças?!

O meu preocupava-se com o bem estar dos outros. Andava calçado. Não havia perigo de sentirmos o chulé dele. A verdade é que ele estava em pé o dia todo, muitas vezes debaixo de 30 graus, e por isso o odor não devia ser dos melhores. Mas ele lembrava-se de nós. Sabia que não tínhamos nada que sentir o seu cheiro.

Onde é que estão os sapatos do novo boneco? Eu não vejo ali nada. Apenas observo os pés, que ainda por cima devem estar cheios de joanetes, porque têm altos enormes. É melhor nem olharmos para lá com muita atenção, porque podemos ver uma minhoca a passar férias entre os dedos, que mal se vêem por causa dos calos.

Podem dizer que sou esquisito, mas eu não confio numa pessoa que não mostra a língua. O meu amigo Multibanco tinha uma língua, logo podia falar, exprimir a sua opinião. O novo, limita-se a sorrir. O que é que ele está a esconder? Terá os dentes podres? Escamas na língua?

Mas o que me preocupa mais é a posição em que o novo Multibanco se encontra. O meu amigo, tinha a perna traçada. Tudo bem que parecia uma alternadeira encostada a uma parede enquanto assobiava pelo cliente. Mas pelo menos tinha ar de quem estava a divertir-se. Reparem bem no novo Multibanco: tem as duas mãos no ar. Alguém está a assaltá-lo. Chamem a polícia! A GNR! O Moita Flores!

A partir de agora sempre que vou ao Multibanco já não serei mais recebido por um cartão em forma de alternadeira, mas sim por um cartão que me está sempre e lembrar que a qualquer momento posso ser assaltado.

Estou triste. Alerta às zonas de Santarém e Algés: Preparem os botes porque vou começar a chorar.


WWW.FRANCISCOSALGUEIRO.BLOGSPOT.COM

Enviar um comentário