quarta-feira, 23 de julho de 2008

Francisco namora com cursor

(-----------------------------------------) é assim que me sinto neste momento. As palavras foram alvo de um palavrasjacking, um primo em segundo grau do carjacking mas em versão moldava, depois de ter lido um comentário que me deixaram ao post de ontem.

Estou mais contente do que os sérvios quando souberam da prisão do Karadzic. Leiam e vejam se não tenho razão. Vem da Sofia, não lhe paguei para escrevê-lo nem a conheço, e podem lê-lo na integra nos comentários: ”Sou sua fã, pois qd li o seu primeiro livro fiquei fã e graças a si escolhi o nome para a minha filhota, pois no Splash!, se n me engano, havia uma Matilde e qd o li adorei e disse: "quando tiver uma filha este vai ser o nome dela", como tal: Obrigado Francisco, considere-se padrinho por afinidade da minha filhota!!!””

(------------------------------------ ) estou mesmo emocionado. Nota de mim para mim: não chores porque está calor e ficas desidratado e depois tens de ir para Santa Maria, ficar ao lado de um sem-abrigo com uma verruga com pus, e os dois não tomam banho há 3meses, e cheiram a cabrita montesa que esteve a correr e não fez a sua higiene.

Obrigado Sofia.

Só com este comentário era o suficiente para eu desejar tornar-me Médico Sem Fronteira e ir para África curar malária, quando recebo o comentário do Fábio Ventura: “ Nãaaaaaaoooooo!!! Nós queremos onomatopeias e pontos de exclamação em excesso!!! Acho que até vou criar uma petição online http://queremosonomatopeias.petitionsonline. com"

Ri-me tanto sozinho que quando vi uma ambulância passar pela janela pensei que os meus vizinhos tinham-na chamado para me levar para o Júlio de Matos. Imediatamente comecei a torcer para que em dois segundos me crescesse uma barba como a do Karadzic, mas nada. O que vale é que a ambulância não era para mim.

Obrigado a todos os têm mandado comentários. Eu que sou o Batman das lágrimas e combato o crime, nunca choro, mas fiquei emocionado.

Ontem e hoje a escrita do livro pareceu a fase da Britney Spears em que rapou o cabelo, raptou os filhos e atacou a imprensa com um guarda chuva.

Escrevi, apaguei, voltei a escrever e só pensava que se tivesse um treçolho, pelo menos tinha uma boa desculpa para não escrever. Mas não. Assim, estive à frente do computador e para além das interessantes conversas com o cursor, nada de mais consegui fazer.

Enviar um comentário