quinta-feira, 24 de julho de 2008

VÊM AÍ TRAILERS

Hoje tomei uma decisão que vai mudar o rumo da humanidade. Fará mesmo com que crianças de dois anos queiram armar-se com machados e juntem-se ao exército para combater as tropas marcianas quando vierem atacar-nos. E elas virão. É só uma questão de tempo.

Isto claro, já para não falar dos telefonemas que não param desde esta manhã por parte do Hugo Chavez que quer jantar comigo. Será que ele não percebe que um não é um não? Fogo.

Estão preparados? Vou fazer trailers para o próximo livro. Esta vai ser a notícia mais importante do dia. Irei ser entrevistado em todos os noticiários e... Como? Hoje não? Quem? A pequena Maddie voltou? Estava com o D.Sebastião? Ah, um livro sobre ela? Ninguém me irá convidar hoje para os noticiários? Um ex-inspector? E se meter uma cunha a Jesus? Sou amigo da Alexandra Solnado e de vez em quando faço perguntas e Ele responde-me. Não? De certeza?

Bom. De qualquer maneira dentro de dias, senão mesmo dentro de horas vai aparecer o primeiro trailer para o novo livro. Vai ser um épico de proporções semelhantes aos implantes da Cristina Aguilera*


* quem se sentir ofendido com a comparação, pense no terrorismo, no Ébola e nas crianças do Sudão com moscas a pousar nos lábios. Ah pois! Agora a comparação já não parece tão ofensiva e machista pois não?

Hoje sinto-me o Matthew McConaughey da escrita. Os abdominais das frases que estou a escrever no livro fariam por si só trazer a paz no mundo. Viram o que fiz? Isto sim é escrita merecedora de um prémio Nobel. O meu nome deveria aparecer em primeiro lugar em todas as buscas do Google.

Sinto-me um ninja com palavras. Neste último dia voltei a estar inspirado e bati o meu record de número de páginas tecladas num só dia: 13. O meu anterior era de 10, ou seja poderia estar presentes nos Jogos Olímpicos.

Quando escrevo desligo o telefone, a campainha e fecho todas as persianas. Se estou inspirado, só páro quando os neurónios precisam de ir para um jacuzzi recuperar. E foi o que me aconteceu ontem quando escrevi as 13 páginas.

Ao fim de 5 horas e meia seguidas a escrevê-las, senti algo parecido àquilo que se sente quando se snifa M&Ms.
Enviar um comentário